Algo A Dizer
Algo a Dizer
 

Nova civilização

Por Luca Barbabianca

A leitura/releitura recente (entre novembro e dezembro passados) dos textos de A Mosca Azul, de Frei Betto, inspiraram-me (melhor diria se dissesse que me instigaram) a prender no formato rígido dos catorze versos do soneto algumas idéias ali explicitadas, mormente aquelas que valem por denunciar as injustiças nascidas da ideologia dominante que mantém inalterado o status quo com o poder na mão de poucos e com muitos destituídos de quaisquer direitos da cidadania. Será que essa democracia política, mas não econômica, porque ao privilegiar um terço da humanidade condena os outros dois terços à exclusão; será que essa é a democracia que desejamos para nossos filhos e netos e para as gerações futuras? Eis a reflexão que estou propondo numa série de dez sonetos. Na edição de janeiro saiu o primeiro deles: A Mosca Azul ou O Pão e o Circo. Na de fevereiro saiu o segundo: Vício estrutural. Na de março, publicou-se o terceiro: Sofisma. Na de abril, editou-se o quarto: Tua responsabilidade. Na de maio, apareceu o quinto: Esquizofrenia. Na edição de junho publicou-se o sexto: Sonho libertário. Em julho veio à luz o sétimo: Violência silenciosa. Na edição de agosto editou-se o oitavo: Voto popular. Na de setembro apareceu o nono: Livre mercado. Agora, finalmente – Aleluia! – na edição de outubro sai o décimo e último da série.

 

Mente a mente que veste o pensamento.

É bem raro entre essência e aparência

haver uma perfeita coincidência,

e pouco dura, se houver casamento.

 

Neste mundo de premissa hegemônica,

onde impera soberbo o capital,

agoniza a justiça social,

pois não há democracia econômica.

 

Para erigir a nova sociedade

herdeira legítima da razão

carecemos de solidariedade,

 

e de romper com a dominação

que a todos nós impõe como verdade

aquilo que não passa de ilusão.

 

(Inspirado pela leitura de A Mosca Azul, reflexões sobre o poder, de Frei Betto, Editora Rocco, Rio de Janeiro, 2006; págs. 231/238)

Luca Barbabianca é poeta e cronista. Seu blog é o lucabarbabianca.zip.net e sua verve pode também ser apreciada, sem moderação, no recantodasletras.com.br

Envie seu comentário:
Nome:*
Email:**
Comentário
Imagem de verificação

*Campo obrigatório
**O e-mail não é obrigatório e não será exibido no comentário
Comentários
  Valéria S. D. Lopes
17/11/2013

Oi, Luca! Foram notáveis todos os sonetos. Sua inteligência, sensibilidade e disciplina presentes em críticas lúcidas e bem pensadas. Foi uma ótima leitura, tenha certeza. Por isso, não digo "Aleluia" e sim:"que pena" um abraço, Valéria Lopes
 
 

contato@algoadizer.com.br | Webmaster: Marcelo Nunes | Design - Pat Duarte