Algo A Dizer
Algo a Dizer
 

Maré

Por Luca Barbabianca

O marujo avança nos seus rumos

afogando toda pressa de ancorar;

são as tramas ausentes de seus prumos

fiando confissões feitas de mar.

 

Cada regresso abraça despedidas,

ventam sopros de sal ao rés da areia,

onde efêmeros resíduos de mil vidas 

vão germinando na onda a maré cheia.

 

Nas solidões tecidas de acalantos

só o incansável rugir desse mar fera

continua a murmurar seus tristes cantos.

 

No luar que o lusco-fusco bruxuleia

é por ele que não chega que ela espera

e por ela que não vem é que ele anseia.

Luca Barbabianca é poeta e cronista. Seu blog é o lucabarbabianca.zip.net e sua verve pode também ser apreciada, sem moderação, no recantodasletras.com.br

Envie seu comentário:
Nome:*
Email:**
Comentário
Imagem de verificação

*Campo obrigatório
**O e-mail não é obrigatório e não será exibido no comentário
Comentários
  Valéria S. Dantas Lopes
04/10/2014

Luca, li e reli muitas vezes, é muito Lindo e profundo. O amor deixa qualquer um à deriva e, quando se tem o mar, a todo instante, que ele faça o caminho. Tudo é silêncio, a dor é compartilhada, com tempo de sobra, com vento à toa, mar adentro, mar afora e a esperança está no horizonte, que se tem à frente. Beijos.
 
 

contato@algoadizer.com.br | Webmaster: Marcelo Nunes | Design - Pat Duarte